Tenho uma secreta paixão.
Apaixonei-me na quarentena
E não precisam de ter pena
Porque ela é um pão.

Não é metáfora, é literal.
Apaixonei-me por carcaças.
Sou poliamoroso com massas,
E acho que estou a bater mal.

Não sei quando é o fim,
Mas digo muito para mim:
João, deixa-te de tretas.

Cuida bem da tua mente,
Oferece-te um presente
E aprecia as borboletas.