Festivais de música em Portugal são mais que as mães! Adaptar ditados portugueses tem o seu encanto e, neste caso, aplica-se na perfeição. Como público que somos, e com uma pequena ajuda de fora, esgotámos quase todos até agora. Afinal, somos ou não o melhor público?

A mensagem espalhou-se e os músicos que declaram amor de coração aos portugueses multiplicam-se. Resultado: concertos em barda, o que é ótimo! Veja-se o fim de semana de 11 de agosto. Paredes de Coura e Sol da Caparica, com uma leve concorrência das Festas do Mar, em Cascais, que, apesar de não ser considerado festival, tem uma semana inteira de concertos.

Voltando ao importante, somos o melhor público do mundo! Será? De todo o mundo, chegam aviões, motas e caravanas com aficionados da música. Das duas uma, ou eles sabem que os artistas gostam mais do nosso país do que do deles, ou então, o mais provável, é mais uma prova que somos um país a viver os seus anos dourados de turismo, com prémios atrás de prémios, mais sexys que as modelos da Victoria Secret e do Calvin Klein. As referências podem ser fracas, mas é uma analogia que faz o seu trabalho.

Dizem que somos os melhores e tocam mais uma música, dizem que tiveram saudades nossas e nós todos derretidos, com aquele quentinho bom no coração. É bonito acreditar que sim, mas também sabemos que podem ser só frases feitas. Seja Rock, Pop ou Jazz, faz parte do charme dizê-lo.

Faz falta validar esta verdade? Não, claro que não, porque a verdade pode doer um pouco. Eu gosto de acreditar que sim, mas também gostava muito que, num concerto qualquer pelo mundo, os artistas dissessem “vocês foram incríveis esta noite, obrigado! Contudo, ainda têm de comer muito pão para chegar ao nível de entusiasmo dos portugueses, esse povo lindo e maravilhoso.”