Trânsito. Nunca uma só palavra arruinou a manhã e a tarde de tantas pessoas ao mesmo tempo, dia após dia, mês após mês. Para todas as pessoas que vão contentinhas nos seus carros para o trabalho só tenho uma coisa a dizer: Força, estamos nisto juntos! Contudo, o trânsito é sempre um excelente desbloqueador de conversas e até merece uma rubrica em quase todas as estações de rádio.

Secretamente, os senhores e senhoras que dizem o trânsito são os meus heróis pela paciência de passar um dia a olhar para ele. Nem sequer sei como o fazem, mas fico cansado sempre que ouço a frenética rubrica que se baseia numa lista infindável de ruas, estradas e avenidas congestionadas. Se é útil, um bocadinho, mas se fosse eu, seria bem diferente.

Comigo, a rubrica seria muito mais curtinha, especialmente em dias sem acidentes. Eis o que eu diria à segunda-feira: “Trabalha em Lisboa? Então, está trânsito nos caminhos que vão para lá. Trabalha no Porto? É mais ou menos a mesma coisa. Obrigado e bom dia.” A excepção seria apenas quando tivesse um acidente digno de destaque, mesmo assim, seria bem mais rápido.

Se isto é a solução para segunda, o que diria nos outros dias? Fácil. “Lembra-se do que disse ontem? Tenho a dizer que continua a estar trânsito nos sítios do costume e, se quiser saber como estão as estradas às 18h da tarde, não precisa de telefonar. Existe trânsito nos mesmos caminhos, só que vai tudo no sentido contrário. Obrigado e bom da!”

Vou apresentar esta ideia e ver no que dá.

Talvez as pessoas gostem,
ou se calhar vão odiar,
mas uma coisa é certa,
o trânsito não vai mudar.