O calor ainda não aperta, mas já sabe bem. Uma manga curta aqui, os calções ali e o verão está mesmo a chegar. São estes primeiros raios de sol mais quentinhos que me fazem ter mais saudades de ir à praia. Faço-o todo ano, mas no calor abrasador do verão, a praia tem outro encanto.

Eu não mando no tempo, não o posso acelerar, e também não quero sofrer de saudades. Sendo assim, qual é a melhor maneira para não ter tantas saudades desses momentos bons? Arranjar defeitos! Se encontrar coisas menos boas, pode ser que me esqueça que a primavera ainda mal começou.

A areia é chata, muito chata. Mete-se sempre onde não deve, por exemplo, naquela região do corpo onde o sol não brilha. Sabem onde? Não, não é aí, é entre os dedos dos pés! Independentemente do calçado escolhido, temos sempre de andar com a pontinha da toalha a sacudir os pequenos grãos de areia que fazem comichão, como quem procura cera nos ouvidos com um pequeno cotonete.

Quem é que eu quero enganar? Isto nem sequer me chateia. A praia é boa, mesmo boa, tão boa e eu gosto tanto porque, para mim, a praia é um paraíso sem defeitos.