O despertador toca e hoje é um dia muito importante na vida de Nuno. É o exame final da sua licenciatura, aquele que vai definir o futuro do seu próximo ano: repetir tudo de novo ou deixar, finalmente, a escola para trás das costas? Tudo será decidido nas próximas horas.

Com a preocupação de chegar a tempo, Nuno deixou tudo preparado. O pequeno-almoço vai ser comido durante a não muita curta viagem de comboio, a roupa está escolhida e o banho foi tomado ontem. Afinal, cheirar bem não é requisito que conte para a avaliação.

Sai de casa, apanha o comboio e o lugar do costume, à janela, está lá à sua espera. Uma hora depois, Nuno está sentado em frente a um computador, nervosamente ansioso para que comece e acabe este inferno. 36 Perguntas, 36 respostas, tudo em escolha múltipla e o exame está feito. A melhor parte são os 5 segundos que separam o fim do exame do resultado final. São, também, os 5 segundos mais longos da vida de cada um destes estudantes.

Cinco, quatro, três, dois, um… APROVADO! É o dia mais feliz na vida de Nuno! Liga ao pai, liga à mãe e vai festejar com os amigos. O dia é de festa, está calor e, entretanto, Nuno aprecia a bonita paisagem que o mar oferece. Mas Nuno não está na praia e está um vidro a separá-lo da brisa marítima que a paisagem oferece.

Ofuscado pelo reflexo do sol no vidro, Nuno ouve barulho e olha em sua volta. Ao seu lado, não está nenhum amigo, mas estão várias pessoas, sentadas e em pé. Nuno está confuso e percebe que ainda está no comboio. A viagem é curta, o sono era muito e, sem dar conta, Nuno tinha adormecido durante a viagem. Nada está perdido, ninguém está atrasado, mas toda aquela felicidade foi só um sonho bom.