Gosto muito de fazer anos! Para mim, o meu dia de anos é sempre um dos melhores (senão o melhor) dia do ano! É o meu dia, o dia em que quero ser rei e fingir que tenho dinheiro para esbanjar. Ou seja, no meu dia de anos gosto de comer todas as refeições possíveis fora de casa, a começar pelo pequeno-almoço.

Sim, voltei outra a vez a falar de comida. Não consigo evitar! Comer é viver (tinha de estragar isto com um cliché básico)! Enfim, no MEU dia tudo é bom, tudo vale a pena. Contudo, existem cerca de 30 segundos nesse dia em que me sinto realmente desconfortável e constrangido.

“Parabéns a você, nesta data querida…”

Acho que conhecem o resto da música, certo? Não é que eu não goste que me cantem os parabéns; a questão é outra. O meu problema é o que fazer durante esses 30 segundos de “terror”. Sorrir? Acenar? Cantar com os demais? Olhar parvamente para o bolo?  30 segundos a sorrir é dor de bochecha e 30 segundos a acenar é imitar a rainha de Inglaterra. 30 segundos a olhar para o bolo será um ato de gula desesperada – não me parece mau de todo. E, por fim, cantar os parabéns para mim próprio é estranho.  Eu acho.

Infelizmente, faltam alguns meses para eu ter este “problema” bom na minha vida. Portanto, quero e desejo sugestões para resolver o meu dilema anual. Obrigado.